Quer abrir uma loja virtual?

Design thinking: aprenda a "pensar como um designer" para revolucionar seus negócios

Design thinking: o que é design thinking e como aplicar essa abordagem na sua empresa

Quer oferecer produtos e serviços que atendam às reais necessidades de seus clientes? É para isso que serve o design thinking. Usando essa abordagem, empreendedores e suas equipes conseguem solucionar problemas e desenvolver, de forma colaborativa, aquilo que o público-alvo quer.

Neste artigo, você vai entender exatamente o que é design thinking, quais são suas etapas, conhecer exemplos de empresas que utilizam e aprender como aplicar o processo de design thinking ao contexto da sua própria empresa.


O que é design thinking?

Design thinking é uma abordagem à análise de problemas e desenvolvimento de soluções que veio da área de design. Mas o que design tem a ver com empreendimento e as necessidades de um negócio?

Considere que um profissional de design nota desafios do dia a dia e elabora soluções práticas para eles, melhorando a experiência das pessoas. Esses desafios podem ser problemas sérios ou banalidades. A questão aqui é o olhar atento a como aprimorar a experiência.

Você alguma vez já usou um produto e ficou com a impressão de que as pessoas que o criaram jamais precisaram usá-lo, pois, se tivessem usado, teriam percebido que ele era péssimo? As primeiras versões do controle do Nintendo Wii, por exemplo, foram duramente criticadas por usuários. Além do formato retangular, pouco ergonômico, os controles acabavam sendo atirados contra a tela da TV por não terem uma corda de segurança. Felizmente, esses problemas foram resolvidos com as atualizações do produto e, para isso, foi preciso ouvir os usuários.

Design thinking: exemplo de design criativo

Não foi à toa que um tweet sobre um pendurador de banana viralizou: embora ninguém esteja sofrendo profundamente armazenando suas bananas em fruteiras comuns ou na geladeira, o design criativo e prático desse produto atrai as pessoas. É basicamente isso que significa “pensar como um designer”, a filosofia que fundamenta o que é design thinking.

Criado por Tim Brown e David Kelley, o design thinking nada mais é do que o pensamento crítico e criativo, visando praticidade e utilidade. Mais do que uma preocupação estética, o uso do design thinking no mundo dos negócios está voltado para a inovação, sempre em busca de soluções satisfatórias para consumidores.

📱 Buscando mais soluções práticas para seu dia a dia? Torne sua vida mais fácil com aplicativos de produtividade pessoal e também profissional!

Etapas do design thinking

O design thinking tem três grandes etapas, entender, explorar e materializar, que se ramificam por etapas mais detalhadas, que aqui vamos organizar em cinco: empatia, definição (ou ponto de vista), idealização (ou ideação), prototipagem e teste.

Empatia

A primeira etapa do design thinking é a imersão na questão a ser trabalhada. Para começar, é preciso reunir a equipe e definir um cronograma, atribuir tarefas, estabelecer parâmetros de análise etc. Uma vez definidas as orientações da equipe, começa-se o trabalho de empatia.

Empatia significa se colocar no lugar do outro e não é à toa que é esse o nome que damos à primeira das etapas do design thinking. A proposta desta fase do processo é colocar-se no contexto do produto (e como os consumidores interagem com ele), a fim de identificar possíveis problemas.

Para identificar os problemas para os quais a empresa vai utilizar o processo de design thinking para propor soluções, faz-se um levantamento de dados. É uma medida importantíssima para que a abordagem da equipe não seja baseada em achismos, ideias pré-concebidas e opiniões pessoais. É preciso contar com dados concretos sobre o problema, pois são eles que vão informar as decisões que vão criar soluções que de fato atendam às necessidades dos clientes.

🔑 Precisando de referenciais para sua análise de dados concretos? Preparamos uma lista com 67 indicadores KPI para e-commerce que com certeza vão te ajudar!

Vale lembrar que o consumidor é muito mais do que o perfil formado por seus dados demográficos; é importante focar também nos aspectos sócio-emocionais do seu público-alvo. Se você nunca pensou nisso antes, ainda dá tempo de conferir nosso artigo sobre buyer persona e saber exatamente quem é o cliente ideal do seu e-commerce. Assim, você terá muito mais preparo e insight para empatizar com os consumidores para quem seus produtos ou serviços são desenvolvidos.

Uma ferramenta importante nesta etapa do design thinking é a análise SWOT. Trata-se de uma análise estruturada que permite que empreendedores avaliem os pontos fracos e fortes do seu negócio sob uma perspectiva interna e também externa.

Outra medida importante nesta etapa é coletar feedback de clientes. Você pode se basear nas avaliações de produtos deixadas por clientes, mas também elaborar questionários voltados para a situação específica que sua equipe deseja solucionar.

Definição (ou Ponto de Vista)

Se a primeira etapa do design thinking for bem feita, a segunda se tornará bem simples. Essa é a hora de utilizar os dados levantados no processo de empatia para identificar o problema principal a ser trabalhado e solucionado.

Considerando que o design thinking é uma abordagem colaborativa, é nesta etapa que cada membro da equipe compartilha seus pontos de vista sobre o que aprendeu com os dados. Juntos, todos os membros vão delimitar as prioridades e definir para onde os esforços serão direcionados.

🏆 Falando em processo colaborativo, você já sabe como o Business Model Canvas pode revolucionar sua empresa?

Etapas do design thinking

Idealização (ou Ideação)

Dados analisados, prioridades definidas, agora vamos para o brainstorming! Se na etapa anterior, ouvimos o ponto de vista de cada membro da equipe, na idealização, vamos ouvir ideias para a solução. Esse é o momento de deixar fluir a criatividade característica do design thinking.

Para que tudo isso funcione, é preciso que as pessoas se sintam à vontade para expressar o que pensam. Será muito difícil implementar o design thinking de forma bem-sucedida se não houver um senso de comunidade na sua empresa. Por isso, é importante validar as ideias propostas e evitar julgamentos, deboches, entre outras atitudes que possam inibir algumas pessoas de se expressarem.

A partir desse trabalho em conjunto, a equipe deve selecionar as ideias que mais têm chances de sucesso para serem levadas à próxima fase.

✨ Que tal organizar o brainstorming desta etapa do design thinking propondo um mapa mental colaborativo?

Prototipagem

Até aqui, estudamos o contexto, levantamos dados concretos, estabelecemos prioridades e fizemos um brainstorming de ideias de solução para elas. Agora é o momento de unir a teoria à prática e dar vida às ideias!

Depois de selecionar as ideias com maior potencial de sucesso, é preciso investir em um protótipo, isto é, uma versão beta do que se pretende que seja o produto final. É uma etapa crucial, pois permite a realização de testes internos antes de investir todo o seu orçamento na execução de algo que talvez, na prática, não funcione tão bem. É a partir dos protótipos que você vai entender se a ideia está pronta para conhecer o mundo ou se ela ainda requer alguns ajustes.

Se sua empresa está utilizando o processo de design thinking para desenvolver um serviço, não um produto, em vez de protótipos, serão criadas simulações das ações reais a serem tomadas. Uma boa ferramenta do design thinking nesta etapa é o MVP, sigla de Minimum Viable Product, traduzido como “produto mínimo viável”. Trata-se da prática de lançar um produto novo com o menor investimento possível. Assim, o produto pode ser testado antes de maiores investimentos serem feitos nele.

🧪 Você já ouviu falar de testes A/B? Comumente utilizado para testar duas versões de um site, ele pode servir de inspiração para o desenvolvimento de seus produtos ou serviços nesta etapa do design thinking. Se estiver entre duas variantes de uma mesma proposta, vale colocá-las para teste uma contra a outra.

Teste

Já estávamos falando sobre testes na etapa anterior, mas aqueles eram testes internos para tomadas de decisão. Esse agora é pra valer: depois de todo esse trabalho de preparo por meio do design thinking, chegou a hora da verdade: o lançamento!

Esse é o momento em que sua empresa deve investir em estratégias de marketing para e-commerce. Afinal, você quer que o resultado de todos esses esforços atinja o público-alvo, não é mesmo? Vale manter em mente um dos princípios do mix de marketing para garantir que isso aconteça: o marketing não é somente sobre divulgação; ele deve orientar toda a jornada do produto, desde sua concepção.

📝 Para não se perder em tantos conceitos e abordagens e poder usá-los em conjunto com eficiência, não se esqueça de fazer um plano de marketing para o seu negócio!

Nesta última etapa do design thinking, o mundo vai conhecer e consumir seu produto. A essa altura, você deve estar se perguntando: “Ok, se agora acabou, por que raios chamar de teste? Já não teve teste suficiente? Ainda não ficou pronto?” E a resposta é: o uso real do produto lançado e o grau de satisfação dos consumidores é uma nova fase de aprendizagem e, por isso, é também um teste.

🎯 Visualizar o produto pronto como um produto que também está em testagem é uma forma de manter o olhar atento, crítico e criativo proposto pelo design thinking.

Isso significa que, sob a abordagem do design thinking, o processo de desenvolvimento de um produto não acaba no lançamento. Lembra do exemplo do controle do Nintendo Wii? Imagina só se a empresa não tivesse ouvido as avaliações negativas para aprimorar o produto!

Mantenha o foco na real experiência dos consumidores e, com essas informações, volte para a primeira etapa do design thinking. Avalie os resultados desse primeiro teste, entenda o que precisa melhorar no produto e quais críticas vai incorporar à solução. Assim, você aproveita o feedback para deixar seus clientes cada vez mais satisfeitos!

Design thinking nas empresas

Design thinking nas empresas

Se antigamente as empresas desenvolviam um produto e, depois de lançá-lo, partiam para o próximo, hoje em dia, valoriza-se cada vez mais a abordagem do design thinking. A seguir, vamos conhecer algumas das vantagens de aplicar o design thinking no mundo dos negócios.

Vantagens de aplicar o design thinking

Aplicar o design thinking em empresas traz muitos benefícios, tanto internamente quanto externamente, para os clientes. Aqui vão alguns dos principais ganhos relacionados a essa abordagem:

  • Visão global. O design thinking estimula profissionais a terem uma visão mais global do processo de desenvolvimento de um produto, pois o foco não é somente no resultado, mas, ao mesmo tempo, não o perde de vista. Além disso, dentro da proposta do design thinking, o desenvolvimento do produto nunca está finalizado.
  • Fortalecimento da equipe. Por ser uma abordagem que depende de colaboração de múltiplos profissionais em harmonia, o processo de design thinking permite uma aproximação entre os membros da equipe. Mesmo que isso não ocorra imediatamente ou talvez cause estranhamento no início, as habilidades sócio-emocionais e comunicativas da equipe vão sendo desenvolvidas conforme o trabalho vai sendo realizado.
  • Crescimento profissional individual. Ao desenvolver habilidades interpessoais e inteligência emocional, o próprio profissional cresce individualmente também. Hoje em dia, valoriza-se muito no meio de trabalho as chamadas soft skills e o trabalhar com design thinking é uma ótima forma de cultivá-las.
  • Baixo investimento. O custo de implementação do design thinking é muito baixo, sendo muito vantajoso economicamente. É o sonho de todo empreendedor: gastar muito pouco no que pode ser a solução para se destacar em um mercado competitivo.
  • Fidelização de clientes. O design thinking se preocupa em atender os clientes, deixando-os cada vez mais satisfeitos. A satisfação é a forma mais eficaz de garantir a retenção de clientes e fidelizá-los à marca.
  • Engajamento. Uma empresa que promove o trabalho em equipe e encoraja profissionais a manifestarem suas ideias e pontos de vista tende a ter profissionais mais motivados. O profissional que sente que suas ideias são valorizadas tem mais chances de se dedicar de maneira engajada ao processo.

Empresas que usam design thinking

Agora que você já sabe o que é design thinking, as vantagens de aplicá-lo e já conhece todas as etapas dessa abordagem, vamos conhecer três exemplos de empresas que usam o design thinking.

1. Samsung

Empresas que usam design thinking: Samsung

Você sabia que a Samsung é uma das empresas adeptas do design thinking, já tendo utilizado a abordagem em mais de 50 projetos da marca?

Em parceria com a IDEO, consultoria especializada em design thinking, a Samsung lançou uma linha de televisões voltada para as classes C e D. Depois de realizar entrevistas com famílias de baixa renda e vendedores de lojas populares, a empresa aprendeu que, para esse perfil de consumidores, era importante que as televisões fossem resistentes a quedas de energia — um problema frequente nos bairros onde moram.

O processo de design thinking, além da aplicação econômica, possibilitou uma solução também muito em conta: em vez de lançar um novo modelo de televisão, a Samsung apenas instalou dispositivos nos modelos existentes que protegessem das oscilações elétricas que eram importantes para os consumidores entrevistados.

2. Insecta Shoes

Empresas que usam design thinking: Insecta Shoes

A Insecta Shoes destaca em seu site a importância do design thinking como filosofia da marca. Levando em conta dados que informam que 30% das roupas produzidas nunca são vendidas, a loja resolveu otimizar sua produção da maneira mais consciente possível: empatizando com o que os clientes querem e lhes proporcionando justamente isso.

O levantamento sobre os desejos dos clientes costuma ser feito pela Insecta Shoes de diversas maneiras: enquetes no Instagram, formulários, grupos focais… Mas, lembre-se: tudo isso só tem efeito porque, além de realizar as pesquisas, a marca de fato ouve atentamente as opiniões sinceras que recebe e as utiliza para desenvolver e aprimorar seus produtos.

🍀 Além da preocupação com empatia por meio do processo de design thinking, a Insecta Shoes também adota uma proposta sustentável de produção sob demanda.

3. Havaianas

Design thinking nas empresas: Havaianas

Durante muito tempo conhecida apenas pelas sandálias de dedo, ao longo dos anos, a Havaianas começou a investir em outros produtos, como bolsas, toalhas, além de uma variedade maior dos chinelos que já oferecia. No caso das bolsas, com consultoria da IDEO, a marca aplicou o processo de design thinking para o lançamento.

A empresa realizou pesquisas e entrevistas dentro e fora do país até chegar a um consenso sobre quais características eram associadas à marca e como representá-las no produto. Seguindo as etapas do design thinkings, a Havaianas implementou primeiro um protótipo da bolsa, que passou por testes e adaptações, até ser oficialmente lançada na São Paulo Fashion Week de 2008.

Design thinking: soluções práticas e criativas para o seu negócio!

A melhor forma de lucrar e fidelizar clientes é mantê-los satisfeitos. Com o design thinking, você tem todas as ferramentas para oferecer aos clientes exatamente o que eles querem. Você agora já sabe o que é design thinking e já conferiu alguns exemplos para se inspirar. O que está esperando para aplicar o design thinking ao seu e-commerce?

Perguntas frequentes sobre design thinking

O que é design thinking?

O design thinking, criado por Tim Brown e David Kelley, é a proposta de encontrar soluções práticas e inovadoras por meio de um olhar atento, crítico e criativo, visando praticidade e utilidade para os consumidores.

Quem criou o design thinking?

O design thinking foi popularizado por Tim Brown, mas costuma ser creditado também a David Kelley, professor da Universidade de Stanford e fundador da IDEO. Ambos são personalidades do Vale do Silício e Tim Brown é atualmente o CEO da IDEO.

Quais são as etapas do design thinking?

A aplicação do design thinking passa pelas seguintes etapas: empatia (levantar dados para conhecer as reais necessidades dos consumidores), definição (estabelecimento de prioridades), idealização (brainstorming), prototipação (testes internos) e teste (implementação).

O que é fundamental para começar um processo de design thinking?

Para começar um processo de design thinking, é fundamental que haja uma cultura de trabalho colaborativo dentro da empresa, na qual os profissionais se sintam livres e encorajados para expressarem suas opiniões em equipe.

Quer saber mais?


Which method is right for you?Sobre a autora

Laura Pires é escritora, professora, mãe de pet e entusiasta de queijos. Passa seus dias fazendo o próprio pão, montando quebra-cabeças e adora ler um bom thriller.

Você tem dúvidas sobre a Shopify?

Entre em contato a nossa Central de ajuda

Tópicos:

Quer abrir uma loja virtual?