Blogs da Shopify

Quer abrir uma loja virtual?

Da ideia à prateleira: como criar um produto novo

product development process

Concretizar uma ideia original de um produto costuma ser um dos maiores desafios para os aspirantes a empreendedores.

O processo de desenvolvimento de um produto parece ser algo quase misterioso. Sempre que escutamos histórias sobre a origem de grandes negócios, a jornada até o produto finalizado raramente parece ser um processo linear.

O fotógrafo Marcelo Lamar, por exemplo, tinha dificuldade para encontrar produtos para carregar seus equipamentos com segurança, conforto e estilo antes de criar a Black Hold.

A falta de cosméticos específicos para cuidados com a barba no mercado nacional motivou o pessoal da Sobrebarba a lançar uma linha de produtos específicos.

Essas histórias isoladamente não servem de manual para o desenvolvimento de produtos, mas as similaridades entre elas revelam alguns dos passos que os fundadores costumam colocar em prática na jornada para começar um negócio e despachar um produto finalizado.

Guia de produtos para vender em 2020

Descubra produtos imperdíveis para vender no seu e-commerce.

O processo de desenvolvimento de um novo produto em seis etapas

Desenvolver um novo produto é o processo de colocar uma ideia original de um produto no mercado. Embora seja diferente para cada área, esse processo pode ser dividido em seis etapas: ideação, pesquisa, planejamento, prototipagem, sourcing e custeio.

Veja a seguir como desenvolver a sua ideia de um produto original e o que considerar em cada etapa.

1. Ideação

Muitos aspirantes a empreendedores ficam presos na etapa de ideação, geralmente porque esperam um lapso de genialidade que revelará o produto perfeito a ser vendido. Por mais que criar algo fundamentalmente "novo" possa ser gratificante criativamente, muitas das melhores ideias são resultado da inspiração em um produto que já existe.

O modelo SCAMPER é uma ferramenta útil para pensarmos rapidamente em ideias para produtos, fazendo perguntas sobre produtos existentes. Cada letra representa uma sugestão:

  • Substituir (por exemplo: pele animal por pele sintética)
  • Combinar (por exemplo: capa de celular e uma bateria acoplada)
  • Adaptar (por exemplo: um sutiã com fecho frontal para amamentar)
  • Modificar (por exemplo: uma escova de dentes elétrica com um design moderno)
  • Proporcionar outra utilidade (por exemplo: espuma viscoelástica para camas de cachorro)
  • Eliminar (por exemplo: remover o intermediário da venda de óculos escuros e repassar a economia para os clientes)
  • Reorganizar/inverter (por exemplo: uma mochila que não amassa seus ternos)

Tendo essas perguntas em mente, você poderá pensar em novas formas de transformar ideias que já existem ou até mesmo adaptá-las a um novo público-alvo ou problema.

Se você estiver esperando por um momento do estilo “agora vai!”, também organizamos esse tópico com ideias de negócios, desde a análise de marketplaces até a reinvenção de tendências históricas.

2. Pesquisa

Com a ideia do seu produto em mente, você pode se sentir inclinado a avançar para a etapa de produção, mas cuidado: ela pode se tornar um passo em falso se você não conseguir validar sua ideia primeiro.

A validação do produto garante que você está criando um produto pelo qual as pessoas vão pagar e que você não vai perder tempo, dinheiro e esforço com uma ideia que não será vendida. Existem várias maneiras de validar suas ideias de produtos, incluindo:

  • Conversar sobre sua ideia com familiares e amigos
  • Enviar uma pesquisa on-line para obter feedback
  • Começar uma campanha de crowdfunding
  • Pedir feedback em fóruns como o Reddit
  • Pesquisar a demanda on-line usando o Google Trends
  • Lançar uma página no estilo "em breve" para avaliar o interesse por meio de opt-ins ou pré-encomendas por e-mail

Independentemente de como você decidir validar sua ideia, é importante obter feedback de um público substancial e imparcial para saber se eles comprariam seu produto ou não. Atenção para não supervalorizar o feedback de pessoas que “definitivamente comprariam” se você, em teoria, criasse seu produto. Só depois de ter o dinheiro de fato você pode contabilizar alguém como seu cliente.

A pesquisa de validação também, inevitavelmente, vai envolver análises competitivas. Se sua ideia ou nicho tem potencial para decolar, provavelmente existem concorrentes já operando nesse espaço.

Visitar os sites dos seus concorrentes e se inscrever na lista de e-mails deles vai lhe permitir entender como eles atraem clientes e fazem vendas. Perguntar para os seus próprios clientes em potencial o que eles gostam ou não em relação aos seus concorrentes também será importante para definir sua própria vantagem competitiva.

As informações compiladas da validação do produto e da pesquisa de mercado permitirão que você avalie a demanda do seu produto, além do nível de concorrência existente antes de começar seu planejamento.

3. Planejamento

Como o desenvolvimento do produto pode rapidamente virar algo complicado, é importante dedicar certo tempo à etapa de planejamento antes de começar a criar seu protótipo.

Quando você finalmente abordar os fabricantes ou começar a procurar materiais, é importante ter uma ideia concreta de como deseja que seu produto seja e como ele funcionará, do contrário, é fácil se perder nas etapas posteriores.

O melhor lugar para começar o planejamento é com um esboço desenhado à mão da aparência do seu produto. O esboço deve ser o mais detalhado possível, com indicações explicando todos os seus recursos e funções.

product development sketches for hidden radio
Esboços de produtos da campanha de crowdfunding do alto-falante Bluetooth da Hidden Radio.

Você não precisa de um desenho de qualidade profissional, ainda não é a hora de enviar nada desse tipo para um fabricante. No entanto, se você não tiver certeza que pode criar um diagrama legível que faça sentido para o seu produto, é fácil encontrar ilustradores para contratar em sites como Dribbble, UpWork ou Minty.

Tente usar seu diagrama para criar uma lista dos diferentes componentes ou materiais necessários para dar vida ao produto. A lista não precisa incluir todos os componentes em potencial, mas deve permitir que você comece a planejar o que será necessário para criar o produto.

Por exemplo, um desenho de um design de bolsa pode ser acompanhado da seguinte lista:

  • Zíperes (grandes e pequenos)
  • Fechos prateados
  • Alças de couro
  • Bolsa de proteção
  • Etiqueta em relevo
  • Carteira no interior da bolsa

Junto com os componentes, você também deve começar a considerar o preço de varejo ou a categoria em que seu produto se enquadra. O produto será um item do dia a dia ou será usado apenas em ocasiões especiais? Ele vai usar materiais premium ou será ecologicamente correto? Todas essas são questões a se considerar na fase de planejamento, pois ajudarão a lhe guiar não apenas no processo de desenvolvimento do produto, mas também no posicionamento da marca e na estratégia de marketing.

A embalagem, os rótulos e a qualidade geral dos seus materiais também devem ser considerados antes de dar continuidade aos estágios de sourcing e custo. Isso tudo afetará a forma como você comercializa seu produto para o seu cliente-alvo. Portanto, é importante levar em consideração esses aspectos do produto durante a fase de planejamento.

4. Prototipagem

O objetivo da etapa de prototipagem durante o desenvolvimento do produto é criar um produto final que será usado como amostra para produção em massa.

É improvável que você consiga obter um produto final na primeira tentativa – a criação de protótipos geralmente trata de experimentar várias versões do seu produto, descartando opções lentamente e fazendo melhorias até que você se sinta satisfeito com uma amostra final.

razor prototypes
Diversos protótipos da navalha Angle Razor da Morrama.

Cada prototipagem também difere de modo significativo uma da outra, dependendo do tipo de produto que você está desenvolvendo. Os casos mais baratos e mais simples são os produtos que você pode prototipar por conta própria, como receitas de alimentos e alguns produtos cosméticos. Essa prototipagem do tipo "faça você mesmo" também pode se estender aos setores de moda, cerâmica, design e outras verticais, se você tiver a sorte de ter experiência nessas disciplinas.

No entanto, na maioria das vezes, os empreendedores trabalharão com terceiros para criar protótipos dos seus produtos. No setor de moda e vestuário, por exemplo, isso geralmente envolve o trabalho com uma costureira local (para roupas e acessórios), um sapateiro (para sapatos) ou um designer de estampas (para roupas). Esses serviços geralmente podem ser encontrados on-line com uma simples pesquisa no Google.

A maioria das grandes cidades também possui escolas de arte, design ou moda, cheias de alunos com treinamento nessas técnicas. A administração desses programas de universidades ou faculdades geralmente pode lhe conceder acesso ao quadro de trabalhos internos, onde você pode fazer uma solicitação de ajuda para criação de protótipos.

Para objetos como brinquedos, utensílios domésticos, eletrônicos e muitos outros objetos com exteriores rígidos, você pode precisar de uma renderização 3D para criar um protótipo. Artistas ou engenheiros treinados em softwares do tipo CAD podem ser contratados para fazer isso usando sites de freelancers, como o UpWork ou o Freelancer. Também existem ferramentas on-line fáceis de se usar, como SketchUp, TinkerCad e Vectary, para quem deseja aprender como criar modelos 3D por conta própria.

trifecto infininity pen
Uma renderização 3D para a caneta Trifecto Infinity.

Para transformar um design 3D em um modelo físico, os fabricantes precisavam fazer moldes para cada peça. Os moldes costumam ser caros e ter taxas de montagem devido a objetos como ferramentas e matrizes, que são usados para cortar e modelar pedaços de plástico e outros materiais rígidos.

Felizmente, com a inovação da impressão 3D, os projetos podem ser transformados em amostras físicas a um custo muito mais baixo e com um tempo de resposta mais rápido.

Chris Little, fundador da Wintersmiths, prototipou sua linha de utensílios para bares, a Quickparts, e disse que conseguiu fazer tudo dentro do orçamento e em apenas alguns dias. Alex Commons da Bulat Kitchen recomenda a 3D Hubs, que ele usou para prototipar uma faca, pagando cerca de US$ 30 pelo modelo impresso em 3D.

3d printed knife product prototype
Um design de faca da Bulat Kitchen impresso em 3D pela 3D Hubs.

5. Sourcing

Tendo um protótipo de produto em mãos, é hora de começar a juntar os materiais e garantir os parceiros necessários para a produção. Isso também é conhecido como construir sua cadeia de suprimentos: os fornecedores, as atividades e os recursos necessários para criar um produto e deixá-lo disponível para os clientes.

Embora essa fase envolva principalmente a procura de serviços relacionados à fabricação, você também pode levar em consideração o armazenamento, as entregas e o depósito para suas escolhas neste estágio.

Em A Marca da Vitória, autobiografia do fundador da Nike, Phil Knight, a importância de diversificar sua cadeia de suprimentos é um tema central do livro. Encontrar vários fornecedores para os diferentes materiais que você vai precisar, além de diferentes fabricantes em potencial, vai lhe permitir comparar custos. Isso também tem um benefício adicional de criar uma opção de backup, caso um dos seus fornecedores ou fabricantes lhe deixar na mão. Fazer o sourcing de várias opções é uma parte importante da proteção dos seus negócios a longo prazo.

Para buscar fornecedores, há muitos recursos on-line e pessoalmente. Embora pareça antiquado, muitos empresários optam por participar de feiras dedicadas ao tema de sourcing. Veja aqui diversas feiras no Brasil que oferecem a oportunidade de encontrar centenas de fornecedores de uma vez só – para ver, tocar e discutir materiais e criar um relacionamento pessoal com eles, algo que pode ser valioso na hora de negociar preços.

Durante a fase de sourcing, você inevitavelmente terá que tomar uma decisão: produzir seu produto localmente ou no exterior. Uma boa ideia é comparar as duas opções, pois cada uma tem suas próprias vantagens e desvantagens.

A plataforma de sourcing mais usada para produção no exterior é o Alibaba. O Alibaba é um mercado para fornecedores e fábricas chinesas, onde você pode pesquisar em listas de produtos acabados ou matérias-primas. Uma maneira popular de usar o Alibaba para encontrar um fabricante é procurar listagens com produtos semelhantes ao seu e entrar em contato com a fábrica para ver se eles podem produzir o seu design específico.

6. Custeio

Após a pesquisa, o planejamento, a criação de protótipos e o sourcing, você deve ter uma imagem mais clara do custo da produção do seu produto. O custeio é o processo de considerar todas as informações coletadas até agora e somar qual será o custo dos produtos vendidos (CPV), para que você possa determinar um preço de varejo e uma margem bruta.

Comece criando uma planilha com cada custo adicional dividido em itens em linhas separadas. Isso deve incluir todas as suas matérias-primas, custos de configuração de fábrica, custos de fabricação e custos de entregas. É importante levar em consideração o frete, as taxas de importação e quaisquer taxas que você precisará pagar para colocar o produto final nas mãos dos clientes, pois elas podem ter um impacto significativo no seu CPV, dependendo do lugar onde você esteja produzindo o produto.


Um exemplo de custo do produto. Você pode visualizar o arquivo por completo ou copiar e adaptar essa planilha para criar a sua.

Se você obteve vários orçamentos para diferentes materiais ou fabricantes durante a fase de sourcing, pode incluir colunas diferentes para cada item nas linhas que comparam custos. Outra opção é criar uma segunda versão da planilha, para que você possa comparar uma produção local com uma produção no exterior.

Depois de calcular o seu CPV total, você poderá criar um preço de varejo para o seu produto e subtrair o CPV desse preço, para assim obter a margem bruta potencial ou até mesmo o lucro de cada unidade vendida.

Desenvolvimento de produtos em setores populares

O processo de desenvolvimento de produtos varia naturalmente de acordo com o setor, então vamos ver brevemente o que você deve considerar em três dos maiores e mais bem estabelecidos setores: Moda e vestuário, Beleza e cosméticos e Alimentos e bebidas.

Esses três setores têm caminhos relativamente diretos para o desenvolvimento de produtos, graças aos muitos estudos de caso bem documentados que podem ser usados como inspiração.

Moda e vestuário

Na indústria da moda, o desenvolvimento de produtos geralmente começa à moda antiga: com um esboço desenhado à mão ou o equivalente digital usando um programa como o Procreate.

Depois, um esboço é desenvolvido para uma amostra, usando um designer de estampas ou uma costureira. Durante a fase de prototipagem, é criado um conjunto de tamanhos, ou seja, uma variedade de amostras com medidas diferentes para cada tamanho que você deseja vender. Depois de finalizado, o conjunto de tamanhos é colocado em produção.

Em vez de fabricar o produto, algumas empresas de moda e vestuário optam pela impressão sob demanda para começar a produzir suas roupas. A impressão sob demanda lhe permite fazer o upload de designs para um aplicativo de terceiros, que conecta sua loja a um depósito e a um local de impressão de estampas. Quando um pedido é feito on-line, seu design é impresso em um estoque existente de camisetas, blusas e vários outros itens em oferta, criando um produto acabado sem a necessidade de fazer o design completo da peça de vestuário.

Outros fatores a serem considerados:

  • Etiquetas penduradas: a etiqueta da marca que fica pendurada em uma peça de roupa e geralmente contém informações como preço, tamanho etc.
  • Etiquetas: as etiquetas de tecido costuradas ou estampadas em uma peça de vestuário que geralmente contém informações sobre os componentes do tecido e instruções de cuidados
  • Testes de lavagem: submeta seu produto a testes de lavagem para entender se ele se mantém ao longo do tempo e como deve ser o cuidado com ele

Beleza e cosméticos

O setor de beleza e cosméticos inclui uma ampla gama de produtos que está em constante expansão devido às tendências de bem-estar e autocuidado. De maquiagem a produtos de banho e cuidados com a pele, muitas marcas de beleza estão se concentrando em todos os ingredientes naturais e em sustentabilidade, o que facilita a criação de um protótipo de um produto por conta própria, usando ingredientes do dia a dia.

White label também é um conceito popular no setor de beleza e cosméticos, ou seja, o processo de encontrar um produto ou fabricante existente e depois embalar e colocar sua marca nos produtos que eles já produzem. Independentemente do caminho que você decida seguir, a produção em massa de cosméticos geralmente é realizada em um trabalho conjunto com um laboratório e um químico, para garantir que a qualidade permaneça consistente de acordo com o aumento da escala.

Outros fatores a serem considerados:

  • Etiquetas e avisos: identificar todos os materiais utilizados no produto e eventuais reações
  • Leis e regulamentos: pesquisar os regulamentos da Anvisa e órgãos equivalentes e como eles se aplicam ao seu produto e embalagem, tanto no local eles são produzidos como onde você pretende vendê-los
  • Prazo de validade: realização de testes e adição de datas de validade necessárias aos produtos

Alimentos e bebidas

Os alimentos e bebidas estão entre os produtos mais fáceis de se começar a desenvolver a baixo custo e no conforto da sua própria casa. Criar uma nova barra energética, por exemplo, pode ser tão simples quanto comprar ingredientes e ajustar a receita em sua própria cozinha, do mesmo modo que a Lara Merriken fez quando começou a sua empresa, Larabar.

Para passar da receita para a mercadoria embalada que você pode vender em lojas ou numa loja virtual, será necessário encontrar uma cozinha comercial licenciada para produzir alimentos e que tenha passado por uma inspeção sanitária e de segurança.

Essas cozinhas geralmente são montadas com fornos grandes e equipamentos específicos para acomodar grandes quantidades de alimentos, mas se você estiver considerando produção e embalagem em massa, um coembalador ou co-fabricante pode ser uma opção melhor. Trata-se de instalações de fabricação especializadas no processamento de matérias-primas e na produção de alimentos e bebidas em escala.

Outros fatores a serem considerados:

  • Etiquetas e avisos: lista de ingredientes, informações nutricionais a serem exibidas
  • Leis e regulamentos: muitos países têm regulamentos sobre informações nutricionais, avisos sobre alérgenos e observações sobre saúde que você precisará atender
  • Datas de vencimento: entender a duração da vida útil do produto e como você vai produzir, embalar e armazenar o produto para cumprir esse período

O que você vai trazer de novo para o mercado?

Durante o processo de desenvolvimento do seu produto, cada jornada até o modelo acabado é diferente e cada setor tem seu próprio conjunto de peculiaridades envolvidas na criação de algo novo. Se você perceber que está tendo dificuldade de entender tudo, lembre-se que todo produto que veio antes do seu teve que superar os mesmos desafios.

Seguindo essas etapas à medida que você passa pelo seu próprio processo de desenvolvimento de produtos, você vai poder dividir a tarefa hercúlea de trazer um novo produto para o mercado em etapas mais simples.

Não importa o que você esteja desenvolvendo, organizando toda a preparação necessária – por meio de pesquisas, planejamento, criação de protótipos, sourcing e custeio –, você pode se preparar para ter um produto final bem-sucedido.


Which method is right for you?Sobre a autora

Carolina Walliter é escritora, tradutora, intérprete de conferências e editora-chefe do blog da Shopify em português do Brasil.

Post original em inglês: Mary-Rose Sutton

Tradução e localização: Marina Borges

Você tem dúvidas sobre a Shopify?

Entre em contato a nossa Central de ajuda