Quer abrir uma loja virtual?

Guia definitivo sobre e-commerce: o que é e como funciona

mão entrega sacola pela tela do computador para outra mão segurando um cartão de crédito.jpg

Transformar um hobby em algo lucrativo foi o que levou Katherine e Gabriel a criarem uma marca personalizada de velas, difusores e home sprays durante a pandemia de Covid-19. O casal sentiu na pele o impacto da redução dos rendimentos mensais e da mudança brusca na rotina, e decidiu investir em produtos que consumiam para ter um retorno imediato, com a ideia de monetizar o que já gostavam.

Depois de cursos, pesquisas de mercado e muitos testes, nasceu uma marca feita a quatro mãos, do produto em si ao rótulo, brasileira, mas com alma grega, já que Katherine é descendente de gregos e Gabriel um aficionado pelo país. Com apenas uma página no Instagram, o casal espalhou a novidade para amigos e familiares e logo começou a vender o pequeno estoque de produtos, entregando os itens de porta a porta.

Hoje, a marca já conta com diferentes aromas para os itens disponíveis para venda, as ideias para novos produtos não param de surgir e Katherine e Gabriel estão desenvolvendo seu e-commerce e esperam lançá-lo em breve, pois sabem que esse seria um passo enorme para alavancar e expandir as vendas online de sua marca.

mulher em frente ao laptop escrevendo em embalagem com outras caixas ao lado
Com este guia sobre e-commerce na prática, Katherine, Gabriel e você ficarão sabendo como o comércio eletrônico pode ajudar marcas a ampliar as vendas, desenvolver novos canais de venda, aumentar o poder de alcance, entre outras informações valiosas sobre essa plataforma tão indispensável para qualquer negócio.

Você sabe o que é e-commerce?

Como surge o e-commerce

A ideia do e-commerce surgiu nos anos 70 do século passado, quando tecnologias como a EFI (Eletronic Funds Transfer) e a EDT (Eletronic Data Interchange) começaram a permitir transferências de valores entre indivíduos e empresas, mas a internet deu uma dimensão antes inexplorada ao e-commerce.

Já em terras brasileiras, quando a internet nem mato tinha ainda, a única forma de fazer compras era ir até sua loja física de preferência, escolher um produto, pagar por ele e levá-lo com você. Depois, entre as décadas de 1980 e 1990, já era possível comprar por telefone ou via catálogos impressos.

Apenas a partir de meados dos anos 1990 começamos a ter acesso à internet, que ganhou ainda mais alcance e proporção ao longo dos anos 2000 e começo de 2010. Com isso, vale ressaltar que o crescimento do e-commerce no Brasil sempre esteve muito ligado ao aumento da velocidade da internet, permitindo que as pessoas pudessem navegar melhor pelas páginas das lojas virtuais, além da introdução de outros recursos de marketing visuais, como fotos e vídeos.

monitor antigo, carrinho de compras e um vaso de cactos sobre fundo amarelo
 

E-commerce: o que é hoje em dia

O e-commerce (electronic commerce) ou comércio eletrônico é um tipo de comercialização pela qual a compra e venda de produtos e serviços, bem como as transações financeiras, são realizadas totalmente pela internet, através de dispositivos eletrônicos, como computadores, telefones celulares ou tablets.

Nessa modalidade, empresas vendem seus produtos por meio de lojas virtuais próprias ou em outras plataformas nas quais é possível comercializar praticamente qualquer coisa. Basta que a empresa tenha uma página em uma plataforma de e-commerce para criar, gerenciar e fazer a gestão de vendas de sua loja virtual.

E para o cliente, é muito simples: basta acessar a loja virtual da marca pelo dispositivo de preferência, a qualquer hora do dia e de qualquer lugar com acesso à internet, escolher o produto de interesse, fazer o pagamento em um dos métodos disponíveis no site e receber o item em um prazo determinado.

mulher faz compras no laptop ao lado de sacolas de compras coloridas no sofá

Qual a diferença entre e-commerce e loja virtual?

Embora e-commerce e loja virtual sejam dois termos usados muitas vezes como sinônimos e estejam diretamente relacionados, tecnicamente não são a mesma coisa. E saber a diferença entre eles é fundamental para o sucesso de ambos.

A explicação mais simples é compará-los à realidade: já que a diferença entre e-commerce e loja virtual é a mesma entre comércio, um setor da economia, e loja, um canal de vendas. Resumindo: a loja virtual faz parte e é um dos elementos de atuação do e-commerce, enquanto o comércio eletrônico é muito mais abrangente, um mercado que visa a comercialização de produtos e serviços através de dispositivos eletrônicos pela internet.

A loja virtual nada mais é do que a extensão online de uma marca, uma vitrine virtual onde o cliente faz todo o processo de compra, da escolha de produtos ao pagamento. O e-commerce na prática é o ambiente digital onde as transações de vendas são realizadas e muitas vezes é o principal canal de vendas de uma empresa. Além de usar uma loja virtual, outras formas de anunciar e vender produtos é utilizar marketplaces, como Mercado Livre, Amazon, Casas Bahia e Magazine Luiza, ou até mesmo por meio das redes sociais.

Basicamente, a principal diferença entre e-commerce e loja virtual é a forma como a marca vai se posicionar online e fazer a concepção de seu negócio.

homem digitando no laptop com caixas de encomenda ao lado

 

E-commerce: como funciona?

Agora que você já sabe o que é, chegou a hora de entender como funciona o e-commerce na prática.

É muito comum para quem está começando a empreender não saber por onde começar ou se perder um pouco em meio a tantas informações, mas é importante ter em mente que o e-commerce é uma das primeiras etapas para quem quer investir no mercado digital.

Basicamente, o e-commerce funciona de forma muito semelhante a uma loja física, onde é feita a comercialização de bens e serviços, a diferença é que o contato com os consumidores acontece de forma virtual. Mas para que isso aconteça, é necessária toda uma logística e estrutura que envolve a exposição dos produtos (afinal, todo comércio precisa de uma vitrine!), estoque, fornecedores, métodos de pagamento, formas de envio/entrega, só para citar alguns. Fora processos como marketing e atendimento, além do pós-venda. Ufa!

Recupere o fôlego e continue por aqui que vamos conferir a seguir um pouco mais sobre cada uma dessas etapas que fazem um comércio eletrônico acontecer.

homem com pilha de blocos escrito ecommerce

 

Comece pelo… COMEÇO!

Antes de qualquer coisa, defina que tipo de produto ou serviço quer oferecer. Só assim será possível criar sua marca e entender em que segmento ela se encaixa e que tipo de público-alvo atingirá. Defina sua persona e levante um estudo sobre quais assuntos mais a interessa para ver o que se encaixa no funil de vendas.

Faça também um estudo de viabilidade na internet: dê uma olhada na concorrência, pesquise por palavras-chave no adwords para ver se seu nicho está saturado ou em que segmento você poderia ter mais sucesso. Procure saber também qual é a tendência do seu produto ou serviço na web e se não corre o risco de ser sazonal. Use e abuse do Google Trends. 

E já que estamos falando de começos, aproveite essa fase para regularizar a documentação da empresa e criar um domínio para seu e-commerce.

pessoa escrevendo à mão no escritório

Defina seu canal de vendas
Já sabemos que e-commerce é a comercialização virtual de produtos ou serviços por meio de dispositivos eletrônicos. E também já vimos que apesar da relação entre eles, existe uma diferença entre e-commerce e loja virtual e que esta não é a única possibilidade para o comércio eletrônico. Conheça melhor a seguir os três principais canais de vendas disponíveis:

Loja virtual
Como já falamos antes, loja virtual é um site criado pelo vendedor para exibir e comercializar produtos. Toda a administração da loja é feita pelo gerente de e-commerce, do layout a questões logísticas e estratégicas. Para a criação do site, você pode contratar um desenvolvedor ou até mesmo usar uma plataforma de e-commerce, como a Shopify, que abordaremos mais adiante neste artigo. Vale ressaltar que, geralmente, os visitantes da loja são os clientes com tendência a finalizar uma compra, pois o negócio já tem uma persona definida.

Marketplace
Os marketplaces podem ser definidos como verdadeiros shopping centers virtuais, onde diversos lojistas expõem suas “vitrines” para os visitantes e compradores desses sites. Entre os marketplaces famosos no e-commerce brasileiro estão Mercado Livre, Magazine Luiza, Casas Bahia e Amazon. Marketplaces têm muitos acessos, com alcance maior, porém, por ser um negócio menos específico, não gera tanto engajamento e fidelização quando a loja virtual, além de terem políticas próprias.

 


 

 

mulher trabalhando no laptop em mesa com doces e café de um lado com celular e caderno do outro 

Redes sociais
Com a presença de 140 milhões de brasileiros, sem dúvida as redes sociais são palco para fechar bons negócios, seja com integrações nativas das plataformas, como o Instagram Shopping, ou tendo contato direto com o cliente.

Faça controle de estoque

Agora é hora de analisar como seria o seu dia a dia de vendas e aspectos mais específicos do comércio eletrônico. É importante neste momento fazer algumas perguntas importantes relacionadas a estoque e disponibilidade, que precisam ser bem geridos:

  • Seu produto ou serviço possui disponibilidade imediata?
  • Você faz o controle de estoque e mantém produtos suficientes para atender à demanda de vendas ou à previsão de compras?
  • Onde e como armazenar mercadorias?
  • Considera fazer o Drop Shipping?

 
estoque repleto de caixas e homem verificando algo no celular


Tenha bons fornecedores

Por mais óbvio que pareça, todo bom vendedor precisa de um bom fornecedor. Selecione bem seus contatos para todas as etapas que envolvem seu produto, da produção à embalagem, incluindo a verificação de materiais, prazos, orçamentos, entre outros processos importantes que impactam no resultado final do seu produto.

Capriche na sua vitrine

Nada como chegar em uma loja e ver os produtos expostos de forma que chamam a atenção, certo? Então pense na sua loja virtual, caso esta seja a sua plataforma de escolha, dessa forma também, para atrair os consumidores.

Lembre que, ao fazer compras online, clientes não têm contato com os produtos e, por isso, é necessário compensar essa falta com fotos de qualidade, artigos bem organizados, com descrições completas e detalhadas. Não deixe também de usar a criatividade nos banners do site, pensando sempre em deixar toda a aparência equilibrada.

Seu objetivo no e-commerce é uma boa taxa de conversão e sucesso na finalização de compras, portanto, capriche na sua loja virtual.

 página inicial da loja virtual da marca pantys


Organize os meios de pagamento

O método de pagamento varia de e-commerce para e-commerce, mas a regra que todo consumidor segue é preencher um cadastro na loja virtual ou fornecer alguns dados como nome, CPF e endereço de entrega. O que não impede que seu negócio ofereça ao consumidor várias formas de pagamento, o que dá mais flexibilidade para que ele finalize a compra como achar melhor, evitando desistência e abandono de carrinho.

Trabalhar com intermediadores de pagamento é o caminho mais fácil para fazer isso, já que oferecem a possibilidade de os pagamentos serem feitos com cartão de crédito (quais bandeiras), débito, transferência bancária, boleto bancário e agora o Pix, tudo no ambiente digital. Outros métodos menos burocráticos são empresas como PayPal e Pagseguro. Quanto mais opções simples e seguras seu e-commerce oferecer, melhor para seu cliente, melhor para sua loja virtual e mais chances de finalização de compra.

mulher comprando item pelo laptop usando cartão de crédito

Pense na logística de envio e entrega

Já parou para pensar como os pedidos feitos pelos seus clientes serão entregues? Existe toda uma logística por trás do processo que vai do “finalizar a compra” até o produto chegar ao endereço do consumidor.

Basicamente, você pode usar quatro opções de frete para os produtos de sua loja, confira na lista a seguir:

Correios

A estatal é a mais procurada por empreendedores que estão iniciando seu e-commerce. A vantagem é oferecer cobertura em todo o território brasileiro e ainda enviar mercadorias para o exterior. O gerente de e-commerce também pode acompanhar o andamento das entregas pelo sistema online. Desvantagens: além das recorrentes greves, o serviço tem algumas restrições em relação ao transporte de encomendas dependendo do peso e do tamanho das mercadorias.

Transportadora
Uma grande vantagem do transporte fracionado é usar veículos de pequeno e médio porte que fazem entregas proporcionais ao volume das mercadorias que foram vendidas, fora os sistemas de rastreamento de pacotes deixando a entrega mais ágil e eficiente, embora os serviços sejam mais caros que os Correios.

entregador com três pacotes de encomendas

Motoboy/Bicicleta
Se a sua loja virtual atende apenas dentro da cidade, usar os serviços de motoboy ou bicicleta são muito úteis para entregas de curta distância. Neste caso, você pode, por exemplo, fazer o contato com uma empresa de entregadores, e na hora de calcular o frete, o valor será definido de acordo com a rota até o destino.

Logística terceirizada
Esta geralmente é uma opção para e-commerces que estão obtendo uma maior escala e pode ser interessante a terceirização dos serviços quando a demanda aumenta. Mas aqui a logística começa do empacotamento até a entrega.

 

entrega de encomenda por homem com máscara facial

Acompanhe as métricas

É muito importante acompanhar as métricas do e-commerce para assegurar um crescimento saudável e uniforme do seu negócio, evitando assim futuros gargalos na operação. Existem alguns fatores que você precisa ter mais atenção. Confira-os na lista a seguir:

  • Tráfego - Número de visitas que o site recebe

  • Taxa de conversão - número de vendas ÷ número de visitas na sua loja virtual

  • Ticket médio - faturamento do mês ÷ quantidade de de vendas no mês

  • Taxa de rejeição - número de sessões únicas do site ÷ número total de visitantes

  • Taxa de abandono de carrinho - 1 – (número total de compras concluídas ÷ número de carrinhos de compras criados) X 100

  • Tempo de compra - duração das sessões na loja ou site

  • CAC - custos de aquisição de clientes ÷ número de clientes conquistados

  • ROI - (Faturamento – Investimentos) ÷ Investimentos

  • LTV - Ticket médio x número médio das compras no ano x tempo médio de relacionamento com os clientes

celular enrolado por uma fita métrica

Tenha um bom atendimento ao consumidor

Em todas as etapas do processo de vendas é essencial que seu cliente receba um atendimento de excelente qualidade, já que este é um dos principais fatores de fidelização. Criar um canal aberto de comunicação com clientes novos e existentes é fundamental para o sucesso do seu e-commerce.

Logística reversa

Mesmo depois de o cliente receber o produto, seu trabalho não termina por aí. Caso algum item precise ser trocado ou devolvido, você precisa estabelecer uma logística reversa no processo de pós-venda. É importante ter um serviço de atendimento ao cliente eficiente, cuja comunicação funcione sem problemas. E essa parte vale tanto para o pré quanto para o pós-venda.

🛍️Abra espaço para a avaliação dos seus produtos
Avaliações por escrito podem valer muito mais do que apenas a nota ou a quantidade de estrela que um produto recebe no que diz respeito à decisão de compra. As palavras de um cliente satisfeito podem levar a novas compras e aumentar sua taxa de conversão. Abra um espaço para receber feedback sobre seus produtos ou serviços e incentive seus clientes a deixar comentários.

 

bloco de notas escrito com a palavra feedback escrito em vermelho

 

Agora se dedique à divulgação

Esta parte fica por último, já que tudo precisa estar funcionando - e funcionando muito bem - para você finalmente pensar e colocar em prática a divulgação do seu e-commerce.

Invista em marketing digital para atrair consumidores em potencial, usando estratégias de inbound marketing e marketing de conteúdo, que se baseiam na produção e no compartilhamento de informações em redes sociais, mecanismos de busca e blogs, com o intuito de chamar a atenção de consumidores até o seu comércio eletrônico.

Estratégias infalíveis de inbound marketing

Quer atrair novos clientes para o seu e-commerce? Baixe o nosso guia gratuito sobre inbound marketing e revolucione o tráfego de clientes da sua loja virtual!

Por que a plataforma de um e-commerce é importante? 

Se você optou pela loja virtual como o canal de vendas do seu comércio eletrônico, será necessário escolher o sistema responsável pela criação do site, ou seja, a plataforma do e-commerce. É por meio dela que você vai fazer todo o gerenciamento da sua loja, como cadastrar produtos, definir preços e promoções, ficar sabendo sobre novas vendas, analisar pedidos, administrar estoque, fazer a logística de envio, entre várias outras funções do dia a dia de um gerente de e-commerce.
Tem duas formas de obter sua plataforma de e-commerce: criar o site do zero, o que pode levar a muitos gastos desnecessários com programadores, web designers, manutenção da loja virtual, entre outros, ou escolher uma das várias plataformas disponíveis no mercado (a Shopify é uma delas), que ofereça ao seu negócio tudo o que você precisa em um só lugar, sem ter de se preocupar com a parte tecnológica da coisa.

mulher acessando várias interações virtuais no telefone celular


A seguir, vamos nos concentrar na segunda opção e mostrar uma checklist completa do que você deve considerar ao escolher uma plataforma de e-commerce.

Tema do e-commerce

- Verifique se a plataforma oferece temas profissionais para sua loja online e que vai deixar uma boa impressão aos seus clientes.
- Veja se o sistema web tem compatibilidade com dispositivos móveis, pois você pode precisar administrar a plataforma do seu celular ou tablet.
- Saiba se é possível personalizar todas as opções do tema que você escolher.
- A plataforma disponibiliza um especialista para ajudar na construção da sua loja virtual caso você precise? Ou ainda, você mesmo pode construir seu site facilmente na web.

 mulher compra bolsa em loja virtual no laptop

Carrinhos de compras
- Você sabe se a plataforma tem gateways de pagamento?
- Procure saber se a plataforma conta com gateways de pagamento.
- Saiba se tem recuperação de carrinho abandonado.
- Informe-se se há um certificado de segurança SSL. Se tiver, é gratuito?

SEO e marketing

- Pesquise se a plataforma conta com sistema otimização de motores de busca e se segue com as melhores práticas do mercado, gerando seu sitemap automaticamente.
- Saiba se existe o recurso de fazer marketing por e-mail.
- Ela oferece códigos de descontos e cupons?
- Procure saber se é possível que seus clientes façam comentários e avaliações dos produtos.
- A plataforma permite que você venda nas redes sociais, como Facebook, Instagram, entre outras, e como é a integração com as redes sociais.
- Informe-se se ela oferece cartões de presente.

Produtos

- Em uma plataforma, é fundamental que seus produtos sejam fáceis de visualizar e que você saiba com clareza quando eles vão acabar, por isso, saiba como é o gerenciamento de estoque.
- Veja como é a organização das mercadorias, se são por tipo, promoção, categoria etc., para saber o que é mais importante para você e sua loja.
- Saiba como a plataforma trata diferentes variações dos seus produtos digitais.
- É possível enviar várias imagens de seus itens à venda ao mesmo tempo?

homem fazendo compras três dispositivos diferentes - celular, laptop e tablet 

Gerenciamento de loja online
- O painel administrativo da plataforma é intuitivo?
- Saiba se é possível gerenciar sua loja virtual de qualquer lugar.
- A plataforma oferece a possibilidade de estudar o perfil dos seus clientes, bem como seus hábitos de compra?
- Procure saber se é possível fazer e-mails personalizados.
- Qual é o nível de dificuldade da gestão dos pedidos? Saiba também como funciona o reembolso e como categorizar seus clientes.

Outros aspectos importantes

- Saiba qual a largura de banda oferecida pela plataforma e se existe ou não um limite.
- Informe-se sobre backups diários, pois fazer a manutenção de seus dados é muito importante.
- O nível de segurança oferecido está de acordo com as tecnologias mais recentes?
- E em relação ao suporte? Saiba se a plataforma conta com uma equipe dedicada com atendimento 24 horas, inclusive aos fins de semana.
- Pesquise também se há materiais e fóruns de discussão para tirar possíveis dúvidas. 

🎥Case de sucesso: migre sua loja para a Shopify
Nesse bate-papo repleto de dicas e curiosidades, Hele Moura, presidente do Comitê de Líderes de E-commerce, conversa com Flavio Feres, Founder e CEO da Vestem, marca referência no modelo de negócio e moda fitness sobre os motivos que o levaram a migrar sua loja para a Shopify, mesmo quando o e-commerce da Vestem já era bem-sucedido. Conheça os diferenciais, as vantagens e as ferramentas da Shopify que Flavio mais utiliza para expandir seu negócio, se aproximar do público e atrair ainda mais clientes.

 

Quais os principais tipos de público no e-commerce?

Já falamos aqui sobre vários aspectos importantes do e-commerce: o que é, como funciona, como administrar, onde hospedar, entre outros fatores fundamentais para o seu negócio. Mas ainda falta avaliar e classificar o seu tipo de público. E não me refiro a nicho, persona, segmento ou plano de negócios, pois a essa altura, você precisa estar com tudo isso muito bem definido. Falo aos diferentes tipos de e-commerce no que diz respeito a modelos de negócio.

Saber classificar seu e-commerce é crucial para decidir em que formato de negócio você vai investir, além de considerar a relação entre empresas e clientes e o perfil de todos os envolvidos. Saiba agora quais são os principais modelos de e-commerce no Brasil e suas características.

B2C (Business to Consumer)
O primeiro tipo é o mais popular, o modelo de negócios em que o e-commerce vende e interage diretamente com o consumidor final, como a maioria das lojas virtuais. Alguns exemplos desse modelo, que também corresponde ao setor varejista do e-commerce são, Magazine Luiza, Casas Bahia e Amazon.

teclado com carrinho de compras no lugar da tecla Enter 

B2B (Business to Business)
Outro modelo bem recorrente no Brasil é o modelo de negócios em que empresas fabricantes ou distribuidoras criam lojas virtuais que vendem exclusivamente para outras empresas, se enquadrando no setor de atacado. Exemplos são vários, entre eles, papelarias, empresas de plásticos, revendas etc.

C2B (Consumer to Business)

Aqui, o consumidor é quem vende seus produtos ou oferece seus serviços - o que é mais comum - a uma empresa. Mais utilizado por profissionais freelances ou autônomos que prestam ou vendem serviços a empresas. Exemplos comuns são 99Freelas e Shutterstock.

C2C (Consumer to Consumer)

Modelo de negócios que permite relações comerciais entre os consumidores, sem participação de uma empresa, e que se expandiu a partir da Internet, principalmente em marketplaces. Principais exemplos no Brasil: OLX, Mercado Livre, Ebay, Enjoei.

mulher compra sapatos online no laptop enquanto descansa no sofá

SEO para e-commerce

Quem não quer ver seu e-commerce aparecer entre os primeiros resultados de busca do Google que atire o primeiro mouse. E para isso acontecer, é necessário se empenhar na prática de SEO e garantir que mais pessoas acessem sua loja virtual sem que você precise pagar por anúncios para que esse tráfego aconteça.

SEO (Search Engine Optimization), ou otimização para mecanismos de busca, é definido como um conjunto de técnicas que otimiza sites e conteúdo para que os motores de busca tenham preferência por determinadas páginas, colocando-as no topo dos resultados das buscas, gerando mais tráfego orgânico e, consequentemente, leads e vendas.

homem usando SEO no laptop e verificando o celular

Se você tem um e-commerce, é fundamental garantir que a sua loja virtual e seus produtos apareçam entre os primeiros resultados da busca orgânica, já que estudos apontam que apenas 4,8% dos internautas vão até a segunda página de resultados, e 1,1% acessam a página 3. A posição que o seu site aparece na primeira página também é relevante. O mesmo estudo indica que 90% dos cliques vão para a listagem orgânica e somente 10% deles para os anúncios.

A palavra-chave é pesquisar
Desculpe-me o trocadilho, mas o que você precisa fazer agora é pesquisar quais palavras-chave são relevantes para sua marca, ou seja, identificar termos valiosos que seus clientes em potencial podem usar na hora de fazer uma busca. Lembrando que é importante pensar em palavras-chave comerciais e que possam representar uma intenção de compra. Além disso, leve em conta o que as pessoas buscam na hora de criar URLs, nomes de produtos e categorias para sua loja virtual.

Confira mais informações sobre SEO para e-commerce no artigo da Shopify: SEO para e-commerce.

Principais vantagens e desvantagens do e-commerce

Não se preocupe se você chegou até aqui e ainda tem dúvidas sobre os benefícios que o e-commerce pode trazer para o seu negócio. Investir no comércio eletrônico pode ser desafiador e é um processo que, como você acompanhou até agora, envolve muitas etapas.

Neste tópico, vamos abordar as principais vantagens e desvantagens do e-commerce para garantir que você e seu negócio estejam indo no caminho certo.

💳Como qualquer negócio, tem algumas desvantagens

Todo negócio tem seus prós e contras e, no caso do e-commerce, os contras não podem deixar de ser observados antes de qualquer tomada de decisão. Por isso, trago verdades, ou melhor, as desvantagens do e-commerce. Confira a seguir:


Cliente x produto

A experiência de compra em uma loja virtual não é a mesma que em uma loja física para o cliente. Por isso, é necessário fazer com que o consumidor entenda bem seu produto oferecendo boas imagens e descrições, vídeos, tutoriais, recomendações e outros elementos que ajudem a compensar a falta do elemento físico.


Frete x prazo
Está aí um fator determinante para a finalização de uma compra: valor do frete, que às vezes pode sair igual ou mais caro que o preço de um produto, e o tempo que vai levar para a sua mercadoria chegar até o cliente. Para que isso não se torne um problema, organize o setor de logística.

Relacionamento x cliente
Tudo é muito rápido na Internet, inclusive as reclamações e péssimas avaliações de consumidores insatisfeitos. Tenha um bom relacionamento com o seu cliente, com um retorno rápido aos pedidos, dúvidas e sugestões, a fim de evitar transtornos.

mini carrinho de compras repleto de pacotes sobre laptop

💳Mas as vantagens superam as desvantagens

Como você pode ver, o lado negativo do e-commerce é facilmente solucionado e quando resolvido, fica para trás diante das diversas vantagens que a plataforma oferece. Confira algumas:

Praticidade
A maior vantagem que o e-commerce pode oferecer ao cliente é a praticidade de resolver tudo de forma virtual, em um só lugar, 24 horas por dia. Graças ao ambiente digital, consumidores podem fazer pesquisas, comparativos de preços, escolher entre vários produtos, pagar, finalizar a compra, acompanhar a entrega e melhor ainda, receber a mercadoria no conforto de casa.

Custo operacional
Ao vender pela internet, em relação a uma loja física, você terá custos iniciais menores em relação a estoque, comissão, equipe, espaço físico, burocracia, entre outros fatores.

Funcionamento
Outro ponto relevante para seu e-commerce é poder funcionar todos os dias, 24 horas por dia, aberto para que o público possa acessar e comprar seus produtos a qualquer momento, até quando você estiver dormindo.

Expansão
Como na Internet não há limites, seu e-commerce pode viajar para vários lugares, permitindo que várias pessoas tenham contato com a sua marca, o que é uma excelente oportunidade de conquistar novos clientes e aumentar as vendas.

blocos de moedas em ordem crescente sobre smartphone com semente crescendo

 

Quais são as tendências para o futuro do e-commerce?

Antes de avançarmos para o futuro, precisamos falar sobre o presente, onde o isolamento social por causa da COVID-19 nos mostra que a criação de sites de e-commerce e a migração de lojas físicas para virtuais deixaram de ser uma tendência para ser uma realidade e foram totalmente transformadas. Só no ano passado, as vendas no e-commerce cresceram 41%, com um faturamento de R$87,4 bilhões, segundo o relatório Webshoppers. Para o futuro, de acordo com uma pesquisa da Ebit|Nielse, dados apontam que 95% dos brasileiros pretendem continuar fazendo compras online no cenário pós-covid.

Mas, e além dos números? O que o futuro nos reserva? Com cada vez mais usuários aderindo às compras online, será necessário oferecer serviços mais diversificados. Um exemplo disso é a experiência omnichannel, pois o consumidor de hoje quer visualizar o conteúdo em diversos canais diferentes, seja pelo computador, celular ou tablet.

Outra ideia é a personalização do seu e-commerce. Envie uma mensagem personalizada ao seu cliente. Certamente a interação entre vocês será maior e o relacionamento, mais duradouro. Esta é uma tendência em que o uso de dados ficará ainda mais inteligente também.

Você sabia que já é possível fazer compras com a Alexa, a assistente virtual da Amazon? Isso se chama Voice commerce. Basta cadastrar os dados, configurar e habilitar o aparelho, acessar o site e pronto!

Anúncios em vídeos já são comuns e só tendem a aumentar e diversificar. Use e abuse do Tik Tok, Reels do Instagram e YouTube, se estiverem de acordo com seu público-alvo. 

Também é possível comprar em outras plataformas, como no Instagram Shopping, por exemplo, e em outras redes sociais. Dessa forma, você expande o alcance do seu e-commerce. A compra por intermédio de QR codes em Smart TVs também já é uma realidade.

Então, o que você está esperando para começar o seu e-commerce agora mesmo?

 

Perguntas frequentes sobre e-commerce: o que é e como funciona

O que é e-commerce?

E-commerce, ou comércio eletrônico, é a comercialização de produtos ou serviços pela Internet, em que as transações são feitas via dispositivos eletrônicos, como computadores, smartphones ou tablets. Esse tipo de comércio tem vários tipos de canais de vendas, mas o mais comum é a loja virtual.


Como funciona um e-commerce?

O e-commerce funciona de forma semelhante a uma loja física, com a diferença de que o contato com os consumidores é feito de forma totalmente virtual. O gerente de e-commerce ou o empreendedor do negócio precisa trabalhar em alguns processos para que o e-commerce funcione, como burocracias iniciais, exposição de produtos, definição de canal de vendas, controle de estoque, contato de fornecedores, logística de envio e entrega, acompanhamento de métricas, atendimento ao consumidor e divulgação.


Por que ter um e-commerce?

O e-commerce oferece uma praticidade que os clientes não vão encontrar em lojas físicas, como resolver tudo de forma virtual e a qualquer momento do dia, fazer pesquisas, comparativos de preços, escolher entre vários produtos e ainda receber o produto em casa. O custo operacional e de manutenção é bem inferior ao de um estabelecimento físico, fora outras despesas com estoque, comissão, equipe e burocracia. Outro ponto é que seu e-commerce funciona todos os dias, 24 horas por dia, e fica aberto para que o público possa acessar e comprar seus produtos na hora que desejarem, além de você conseguir levar sua marca para diversos lugares, já que a Internet não tem limites e, dessa forma, pode conquistar novos clientes e aumentar as vendas. Além de tudo isso, a porcentagem de brasileiros que fazem compras online aumentou muitos nos últimos anos e esse número só tende a subir.

Which method is right for you?Sobre a autora

Ingrid Varella é jornalista, atua como tradutora e redatora, e é cantora nas horas vagas. Está sempre em busca de conhecimento, com uma xícara de café de um lado e sua gata do outro.

Você tem dúvidas sobre a Shopify?

Entre em contato a nossa Central de ajuda

Tópicos: